Sobre Utopias possíveis

As micro-escalas de planejamento urbano como instrumento para ativação de espaços residuais da cidade de Fortaleza

  • joão prado uni7
Palavras-chave: Cidade. Lugar. Utopia. Microplanejamento

Resumo

Os   urbanistas carregam desassossegos dentro de si em relação às cidades contemporâneas ao tempo que se identificam com cenários urbanos utópicos. Discute-se a ineficiência dos planos urbanísticos tradicionais, de macro escala, para a solução de problemas de uso do espaço pelo cidadão comum. O presente artigo objetiva identificar pontos de relevância encontrados nos ideais de cidade propostos pelos utopistas renascentistas, notadamente Thomas Morus (1516), Tommaso Campanella (1623) e Francis Bacon (1627) em diacronia com conceito utópico de Barbosa (2018), tendo como estudo de caso o Programa Cidade da Gente da Prefeitura de Fortaleza, Ceará, revelando suas características utópicas e analisando resultados de pesquisa pós-ocupação.

 

Referências

ANDRADE, Margarida Julia Farias de Salles. Fortaleza em perspectiva histórica: poder e iniciativa privada na apropriação e produção material da cidade (1810-1933). 2012. 279 f. Tese (Doutorado) - Curso de Arquitetura e Urbanismo,
Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

AULA História da Cidade Brasileira: Módulo 4b. Realização de Herbert Rocha. Coordenação de Gabriele Alister. Sobral: Uninta, 2021. MP4, son., color. Série PósGraduação Latu sensu em Gestão de Cidades. Participação especial: Liana Feingold.

BARBOSA, Jorge Luiz. Por uma cartografia de microutopias para reinvenção da cidade. In: SERPA, Angelo; CARLOS, Ana Fani Alessadri. Cenografia Urbana: desafios teóricos contemporâneos. Salvador: Edufba, 2018. p. 95-111.

CHOAY, Françoise. Destinos da cidade européia: séculos XIX e XX. Revista de Urbanismo e Arquitetura, São Paulo, v. 4, n. 1, p.8-21, jan. 1996. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2014.

CHOAY, Françoise. O Urbanismo: utopias e realidades, uma antologia.. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua
Portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

GLOBAL DESIGNING CITIES INITIATIVE (ed.). Cidade da Gente:: Fortaleza redesenhando ruas para as pessoas. Fortaleza redesenhando ruas para as pessoas. Disponível em: https://globaldesigningcities.org/2017/12/14/reshape-streetsreconnect-communities-2/. Acesso em: 13 jun. 2021.

GARCIA, Fátima. Bairro Cidade 2000. 2016. Blog Fortaleza em Fortos. Disponível em: http://www.fortalezaemfotos.com.br/2016/03/bairro-cidade-2000.html. Acesso em: 12 jun. 2021.

MACIEL, Wellington Ricardo Nogueira. Tempos e Espaços da Praia do Futuro: usos e classificações de uma zona liminar. 2011. 237 f. Tese (Doutorado) - Curso de Sociologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/6291. Acesso em: 12 jun. 2021.

RIBEIRO, Lucíola Limaverde. Afetos em construção: narrativas e processos de apropriação do espaço pelos moradores da cidade 2000. 2015. 112 f. Dissertação (Doutorado) - Curso de Psicologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015. Disponível em: http://www.repositorio.ufc.br/handle/riufc/13034. Acesso em: 12 jun. 2021.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: Técnica e tempo. Razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

Souza, M. A. A. (2019). Território usado, rugosidades e patrimônio cultural: refletindo sobre o espaço banal. Um ensaio geográfico. PatryTer – Revista Latinoamericana e Caribenha de Geografia e Humanidades, 2 (4), 1-17.

SEVCENKO, Nicolau. O Renascimento. São Paulo: Atual, 1994.

TUAN, Y-Fu. Espaço e Lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983. Disponível em: http://www.artevisualensino.com.br/index.php/textos/send/16textos/481-yi-fu-tuan--espaco-e-lugar-a-perspectiva-da-experiencia. Acesso em: 12 maio 2021.

WRI Brasil: Ross Center. Ross Center. Disponível em: https://wribrasil.org.br/pt. Acesso em: 13 jun. 2021.
Publicado
09-09-2021